Casa Reviews Diário de um louco em território brasileiro

Diário de um louco em território brasileiro

8 primeira leitura
0
0
27

Turnê com cinco shows Ozzy que pararam o Brasil 

Por Fabiano Negri e Luis Fernando Zeferino

John Michael Osbourne, 62 anos, milionário, ex-vocalista do Black Sabbath, carreira solo consolidada e ainda sedento por um único desejo, que provavelmente vai carregar até o túmulo: enlouquecer o público.

 

Os shows que fez no Brasil só corroboraram com a afirmação acima. Um Ozzy soberano, mais uma vez, nos palcos brasileiros foi o que os sortudos presentes puderam comprovar. Apesar de um repertório monótono, sem novidades e relativamente curto em face ao que era apresentado no ano passado, as almas pagãs puderam delirar ao som de clássicos de sua antiga banda, passando por sua carreira solo.

 

Ozzy desembarcou no Brasil no dia 29 de março para iniciar o Teatro da Loucura no dia seguinte, em Porto Alegre. Esbanjando carisma e bom humor o Madman simplesmente destruiu o Gigantinho, que estava completamente lotado. Detalhe para a bandeira do Grêmio, que segurou se enrolou, sem saber da rivalidade que estava estampada, principalmente pelo fato do ginásio se localizar ao lado do estádio Beira Rio, do Internacional, e o show acontecia justamente ao mesmo tempo de um jogo do rival. Apenas um detalhe para a grandiosidade do espetáculo.

 

Sua próxima parada foi em São Paulo. No dia primeiro de abril, Ozzy concedeu entrevista coletiva no hotel Tívoli Mofarrej, na capital paulista. Não, não foi mentira, nós também estávamos presentes na primeira fila, a menos de 2 metros de Ozzy. Com simpatia, bom humor e respostas engraçadas, o Madman conquistou o carinho de todos os jornalistas presentes. Foi uma coletiva interessante e com perguntas inteligentes, ao contrário do que havia acontecido em 2008, no Rio de Janeiro.

 

Dia 2 é a hora de São Paulo ver a apresentação na Arena Anhembi, com todos os ingressos vendidos e uma plateia de 35.000 pessoas. Um dia de sol e calor em que ninguém imaginava que terminaria com uma tempestade ao cair da noite.

 

Um parênteses para o momento em que nos direcionamos ao backstage para entregar uma homenagem ao Madman. Acompanhe os detalhes aqui.

 

Filas enormes se formavam aos arredores do sambódromo. Todos devidamente uniformizados e já no clima para receber Ozzy logo mais. Antes, o Sepultura abriu a noite destilando clássicos em cerca de uma hora de apresentação.

 

Pontualmente, Ozzy sobe ao palco e a multidão vai à loucura. A chuva parecia deixar a todos ainda mais selvagens. Ozzy se deixava contagiar por todos e mesmo sem a voz afinada e com o sistema de som aquém do esperado, literalmente lavou a alma de todos.

 

Próximo destino do diário: Brasília, no dia 5. Mesmo script dos outros shows também no ginásio Nilson Nelson. Cerca de 8 mil pessoas presenciaram um Ozzy com voz melhor e animado. Banhos de espuma e baldadas de água não faltaram entre um solo e outro.

 

No dia 7 foi a vez do Rio de Janeiro rever o Madman após 3 anos. A apresentação no Citibank Hall foi memorável, com cerca de 8 mil pessoal tomaram todas as dependências do local. O script foi e o mesmo e a alegria idem. Como nos shows anteriores, em diversos momentos da apresentação a plateia entoava o coro pedindo No More Tears, solenemente ignorado por Ozzy, que seguiu à risca o mesmo setlist de toda a turnê sulamericana.

 

O Madman encerrou magistralmente sua passagem pelo Brasil com um show em Belo Horizonte. Seria repetitivo de nossa parte dizer novamente que o local estava lotado e que Ozzy seguiu o mesmo script. Mais uma vez Ozzy se enrolou em uma bandeira de um clube de futebol. Desta vez jogaram uma do Atlético Mineiro, que foi prontamente apanhada por Ozzy.

 

Fim da louca e longa aparição de Ozzy pelos palcos brasileiros. Para nós restaram as boas lembranças que esses momentos únicos nos proporcionaram. Serviu também para provar que o senhor comedor de morcegos, no auge de seus 62 anos, ainda contraria a previsão de muitos críticos e com 40 anos de estrada insiste em mostrar que até mesmo o sempre implacável tempo não é capaz de detê-lo. Não, mesmo!

Carregar mais artigos relacionados
  • Scream

    Lançado em 11 de junho de 2010 Formação: Ozzy / Gus G. / Rob ‘Blasko’ Nicholso…
  • Under Cover

    Lançado em 1 de novembro de 2005 Formação: Ozzy / Jerry Cantrell / Mike Bordin / Chris Wis…
  • Down to Earth

    Lançado em 16 de outubro de 2001 Formação: Ozzy / Zakk Wylde / Robert Trujillo / Mike Bord…
Carregar mais por webmaster
  • Resenha do Livro “Eu sou Ozzy”

    Por Ricardo Seelig Disléxico, hiperativo e diagnosticado com a síndrome de distúrbio de at…
  • Review: Sabbath Bloody Sabbath

    Thiago Cardim*   Eu devia ter, sei lá, por volta de uns 13 anos. Já tinha manifestado…
  • Treze vezes Black Sabbath!

    Nosso site analisa a obra que provavelmente encerra o ciclo da lendária banda Por Fabiano …
Carregar mais em Reviews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Scream

Lançado em 11 de junho de 2010 Formação: Ozzy / Gus G. / Rob ‘Blasko’ Nicholso…